Continuarei sempre a afirmar que Paris é, inegavelmente, para mim, a cidade mais linda do mundo. Minha primeira vez por lá foi em 1995 e logo fui arrebatado por uma paixão fulminante, pois eu não tinha ideia de como Paris é encantadora. Nos posts anteriores sobre a Cidade Luz indiquei um desejo de apresentar uma Paris pouco conhecida. Vários visitantes optam por fazer viagens rápidas e acabam por conhecer apenas o básico da cidade, mas Paris tem muito mais que a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo ou a Catedral de Notre-Dame. Espero que minha exposição sirva para que os viajantes percebam que existe uma outra Paris pouco visitada, mas que não perde o charme. Butte-aux-Cailles é um microdistrito que tive o prazer de conhecer.

Rue de la Butte-aux-Cailles

Foto do site: https://www.parisinfo.com/decouvrir-paris/balades-a-paris/balade-dans-le-13e-arrondissement-cote-village.

Butte-aux-Cailles é um dos mais charmosos microdistritos de Paris e nem tão pequeno, pois se estende do sul da place d’Italie, no 13º arrondissement, até alcançar a rue de Tolbiac.  Para uma melhor localização, abaixo está exposto o mapa do bairro. O Butte-aux-Cailles, semelhante a um vilarejo, tem suas ruas de paralelepípedos e sinuosas, praças bonitas e casas antigas, sendo que algumas possuem aquela raridade parisiense: um jardim. Existem bares, restaurantes e bistrôs excelentes e relativamente baratos, alguns deles modernos o suficiente para atrair jovens profissionais da moda, estudantes da Sorbonne, jovens artistas e muralistas de toda a Europa que encontram nesse local a liberdade de poder expressar a sua arte de rua.

Mapa do bairro Butte-aux-Cailles.

Este afresco é de Kashink, muralista de rua francesa. O mural foi elaborado em conjunto com crianças. Foto @kashink.

O belo bairro Butte-aux-Cailles é formado por pequenas ruas que vão se intercalando, deixando uma sensação de que estamos vagando por um labirinto, mas o que importa mesmo é se perder nos becos sem saída totalmente floridos, denominados de passage. Na verdade, esses becos diferem bastante das galerias comerciais, como, por exemplo, a passage Vivienne, que não é uma rua residencial, mas sim um espaço comercial com uso preferencial de lojas.

Em Butte-aux-Cailles, ao se deparar com esse beco, um viajante esquece-se que está em Paris. Ele se chama square des Peupliers.

Acima de tudo, é preciso não ter pressa, admirar cada lugar, cada detalhe, mergulhar nesse mundo repleto de velhas histórias, sentar-se à mesa de um bar da rue de la Butte-aux-Cailles e relaxar. Ao chegar ao bairro, sentei-me no Café Nenesse por dois motivos: cansado da caminhada e com vontade de ir ao banheiro. Uma história à parte, mas creio que saibam que em Paris os bares ou cafés não gostam que se use o banheiro. Não adianta se dirigir em francês e dizer Monsieur, je voudrais aller aux toilettes, s’il vous plaît (Senhor, eu gostaria de ir ao banheiro, por favor), eles vão responder: Non, monsieur (Não, Senhor). A saída é sentar-se, pedir um café e depois ir ao banheiro.  

Um pouco cansado, da mesa do Café Nenesse eu tirei esta foto.

Que tal agora tentar definir a tradução para o português do nome do bairro e depois conhecer um pouco da história desse microdistrito? Eu, particularmente, traduziria como: “colina das codornas”. Mas, na verdade, a denominação  deriva do primeiro proprietário, Pierre Caille, que adquiriu em 1543 grande parte das terras que hoje compõem o bairro, que foi ficando conhecido como a “colina dos Cailles”, e assim passou a ser chamado, em francês, de Butte-aux-Cailles. Originalmente, era uma colina coberta de prados, vinhas e bosques, com a presença de vários moinhos de vento, mas hoje não encontramos nem vinhas nem os moinhos de vento.

Uma codorna e seus ovos.
A place de la Commune-de-Paris mantém o ar bucólico do bairro, e ao centro dela encontra-se uma das famosas Fontes Wallace.

Foto do site: http://diretodeparis.com/wp-content/uploads/2015/12/DSC07318-1.jpg

Entretanto, a partir do séc. XVII até a metade do séc. XIX, a região da colina das codornas foi sendo ocupada por fábricas que poluíram a água do rio local, o rio Bièvre. As manufaturas que se instalaram no bairro, como de tingimento, curtumes, lavanderias, lavagem da mineração de calcário, carniceira etc. degradaram bastante a região e rapidamente poluíram a água do rio, fazendo com que os preços dos imóveis caíssem. É bem provável que esses sejam algum dos motivos para que o bairro tenha permanecido com o ar bucólico.

Rue des Cinq-Diamants, no século XIX.
O ar simples e bucólico da Rue des Cinq-Diamants, distinta da Paris de Haussmann.

Porém, ao longo desses quase três séculos, por causa dessas atividades altamente poluidoras, o rio Bièvre começou a ser canalizado e coberto em 1850 e foi desaparecendo pouco a pouco. Em 1950 ele já estava completamente coberto.

Rue Alphand, com um ar de vila ou aldeia, e prédios baixos em plena Paris.

É importante relatar que, devido à instabilidade do terreno onde o bairro foi sendo implantado, por conta da existência no subsolo de rochas calcárias e argila, que são muito maleáveis e pouco resistentes para a fixação de alicerces profundos, as reformas do séc. XIX do prefeito de Paris, o Barão Haussmann, não pôde ocorrer em Butte-aux-Cailles. Esse fato é bem relevante, sendo um outro motivo para que o bairro mantivesse durante longos anos o ar interiorano de uma vila ou aldeia em plena cidade de Paris.

Escadaria de aceso ao Jardim Brassaï, cujo passado era ligado à região de extração de calcário e argila no bairro Butte-aux-Cailles. Foto de © C. Gaillard.

Butte-aux-Cailles, até 1860, pertenceu ao município de Gentilly, que se tornou uma pequena cidade ao sul de Paris, enquanto o bairro foi anexado a Paris e faz parte do 13º arrondissement (distrito). Uma curiosidade que envolve a pitoresca história de Butte-aux-Cailles é que em 1866 foi inaugurado o seu primeiro açougue de carne de cavalo. Para efeito informativo, pesquisei bastante se ainda existe algum açougue de carne de cavalo no bairro, mas não encontrei nada sobre isso. Esse fato de pioneirismo deveu-se por ser uma carne mais barata, e o bairro ainda concentrava uma população de trabalhadores mais pobres.

Mapa da cidade de Gentilly

A passage Barrault é uma viela calma, cuja relva que nasce por entre os paralelepípedos nos remete a uma pequena aldeia.

Já foi comentado no início do post que o bairro se notabiliza por ser o espaço predileto de jovens artistas e muralistas que encontram nesse microdistrito a liberdade de expressar a sua arte de rua. Portanto, respeitando a opinião de cada um sobre esse tipo de arte, que sofre muito preconceito, acho importante mostrá-la. Eu particularmente gosto muito quando sinto qualidade no trabalho a partir de desenhos coloridos, ironias com a realidade e detalhes sutis, enfim, acredito que seja uma arte que deve ser aceita e preservada, pois tem o seu valor. A seguir exibo quatro murais com a arte de rua de Butte-aux-Cailles.

Arte de rua na rue de la Butte-aux-Cailles.

Foto do site: https://www.jenesaispaschoisir.com/2015/04/28/promenade-parisienne-la-butte-aux-cailles-et-la-cite-florale/

Bela pintura de um muralista na rue de la Butte-aux-Cailles.
Arte de rua na rue de L’Espérance.

Foto do site: https://www.famillefrancetrotteuse.fr/la-butte-aux-cailles-fait-son-street-art/

Arte de rua na esquina da rue Alphand com rue Barrault.

Se ainda não havia especificado, eu visitei esse bairro num domingo de outubro de 2015, e ao anoitecer fui dar o meu primeiro passeio a outra colina de Paris: Butte Montmartre. Essa é mais alta que a Butte-aux-Cailles e possui escadarias, até certo ponto, bem íngremes. Foi nessa noite, em Paris, que comecei a me sentir ofegante e perder a respiração. Dias depois o diagnóstico confirmou uma embolia pulmonar. Já fiz um post com orientações sobre essa doença que ocorre muito frequentemente com viajantes. Leia o post: https://novosterritorios.com/a-prevencao-da-embolia-pulmonar-em-voos-longos-2/.

Butte Montmartre, em destaque a basílica do Sacré-Coeur.

Na rue de la Butte-aux-Cailles, principal rua do bairro, o viajante pode conhecer um espaço bastante interessante e indicado como sendo o primeiro Tricot Café de Paris: o L’Oisive Thé, que se localiza no número 8 bis. O mais curioso é que a tradução do nome do espaço brinca com a palavra “ociosidade” (l’oisiveté), ou seja, esse café e salão de chá sintetiza o astral do bairro, que nos chama ao ócio. O L’Oisive Thé te dá as boas-vindas com uma variedade de chás, sucos e pastéis caseiros. Se você adora tricô, esse é o lugar perfeito para fazer uma pausa.

O L’Oisive Thé, que nos convida ao ócio.

Caminhando pelas ruas estreitas, forradas de pedras e com os belos e antigos lampiões, qualquer um sente que é um luxo ver a preservação de aspectos urbanos do passado nos dias atuais. Após passear por várias ruas, becos e vielas mais centrais no bairro, saí em direção a um outro ponto muito raro dentro da realidade urbanística planejada pelo Barão Haussmann. É verdade que não fica na área circunscrita ao bairro Butte-aux-Cailles, mas é bem próximo e localiza-se no lado ocidental. Comecei a caminhar a partir da place de la Commune-de-Paris e andei pela rue de la Butte-aux-Cailles até chegar à rue Barrault, virei à esquerda e depois na primeira à direita chegando ao meu objetivo, ou seja, a rue Daviel, onde se encontra “La Petite Alsace”, ou a Pequena Alsácia.

A parte frontal da Pequena Alsácia na rue Daviel.

A Pequena Alsácia encontra-se escondida no número 10 da rue Daviel. Foi construída em 1912 com o objetivo de abrigar os trabalhadores com famílias numerosas, que eram empregados nas fábricas do bairro. São quarenta moradias geminadas em estilo alsaciano. Alguns desses trabalhadores eram russos que, fugindo da Rússia czarista, conseguiram asilo político na França. É bem difícil o acesso ao pátio interno para poder vislumbrar essa pérola de Paris, como outras lindas vilas parisienses, pois sendo propriedade privada, raramente se tem a liberdade de entrar.

O pátio central da Pequena Alsácia na rue Daviel.

Mas o que me fascinou mesmo foi a Villa Daviel, que fica de frente para a Pequena Alsácia, sendo composta por casas simples de dois pisos. São moradias que, assim como a Pequena Alsácia, foram construídas em 1912 para abrigar trabalhadores, mas, aos poucos, com a desativação das fábricas na região, foi sendo ocupada por novos moradores que guardam um carinho por suas casas. Na sua totalidade as moradias têm jardins bem cuidados, e, ao caminhar por toda a vila, pude perceber padrões de fachadas decoradas com tijolos ou pinturas em tons pastéis que as diferenciam uma das outras. Bela vila que faz Paris mais apaixonante. 

A Villa Daviel fica de frente para a Pequena Alsácia.
Lindas moradias da Villa Daviel com fachadas decoradas com tijolos ou pinturas em tons pastéis.

Vou contar um segredo, eu já tinha ido quatro vezes a Paris e não sabia da existência de bairros bucólicos, graciosos e com um ar de aldeia do interior da França. Garanto que me encantei ao passear por cada vila, cada beco e cada rua. E é assim que o meu amor por Paris foi aumentando. Como na frase de um mural de Butte-aux-Cailles:  

“Paris est trop petit pour ceux qui l’aiment, comme nous, avec tant d’amour”

Ou

“Paris é muito pequena para quem a ama, como nós, com tanto amor”.

Para que você aproveite Butte-aux-Cailles como se ainda acompanhasse meu passeio, deixo, de presente, fotos de duas bonitas ruas e seus marcantes estilos arquitetônicos. Viaje a Butte-aux-Cailles como se sobrevoasse a colina das codornas. 

As interessantes casas de pedra bruta da rue Henri Pape, em Butte-aux-Cailles.
Rue Michal, em Butte-aux-Cailles.

Como promessa é dívida, cumpro o que comentei no primeiro texto sobre essa linda cidade, pois disse que iria mostrar uma Paris pouco conhecida, no caso os interessantes microdistritos. Então, espero que tenha gostado de conhecer um bairro tão incomum no centro de uma Paris do Barão Haussmann. Caso queira conhecer Butte-aux-Cailles e Paris, não vou mentir, é um destino muito caro, mas sempre se encontra solução para realizar um sonho. Sonhe sempre!

Compartilhe com os seus amigos.
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Share on LinkedIn
Linkedin
Print this page
Print

23 thoughts on “Paris e o charmoso bairro Butte-aux-Cailles.”

    1. José Geraldo, obrigado por seu comentário e por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu recorde de visualizações no sábado e domingo passados. Navegue no blog, tenho muitas outras publicações de Paris e de cidades do interior da França. Butte-aux-Cailles é incrível!!

    1. Querida amiga Rita, obrigado por seu comentário e por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu recorde de visualizações no sábado e domingo. Numa próxima viagem, você sabe que Paris sempre merece uma visita. Navegue no blog. E como eu escrevi no post, somente depois da quarta ida a Paris é que fui conhecer Butte-aux-Cailles.

    1. Vania, obrigado por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz que o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Se inscreva no blog para receber as novidades. Eu tenho mais 2 posts de Paris e 4 de cidades do interior da França. Navegue no blog.

    1. Ubiratan, obrigado por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz que o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Acho que estou no caminho certo. Se inscreva no blog para receber as novidades. Eu tenho mais 2 posts de Paris e 4 de cidades do interior da França. Navegue no blog.

    1. Luiz Octavio, obrigado por seu comentário e por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Se inscreva no blog para receber as novidades. Numa próxima viagem, Paris sempre merece uma visita. Eu tenho mais 2 posts de Paris e 4 de cidades do interior da França. Navegue no blog. E como eu escrevi no post, somente depois da quarta ida a Paris é que fui conhecer Butte-aux-Cailles.

    1. Orozimbo, obrigado por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Acho que estou no caminho certo. Se inscreva no blog para receber as novidades. Numa próxima viagem, Paris sempre merece uma visita. Eu tenho mais 2 posts de Paris e 4 de cidades do interior da França. Navegue no blog.

  1. Adorei conhecer este bairro! Pois, na verdade, não é a Paris glamourosa que encanta-me tanto, na França; mas as cidades ao sul da França, que são tão bucólicas quanto esse bairro! Montmartre sempre encantou-me e “viajo na ilusão” de, em uma vida passada,ter sido um dos pintores impressionistas que viveram lá.🙈😊😉
    Muitíssimo obrigada por dar-me a oportunidade de conhacer uma París além do lugar comum!
    Gratidão! Sucesso e feliz 2021!

    1. Magda, obrigado por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Acho que estou no caminho certo. Se inscreva no blog para receber as novidades. Numa próxima viagem, Paris sempre merece uma visita. Eu tenho mais 2 posts de Paris e 4 de cidades do interior da França. Navegue no blog.

    1. Querida Isis, obrigado por fazer parte de um grupo de seguidores do blog. Hoje estou bem feliz pois o post de Paris bateu um recorde de visualizações. Acho que estou no caminho certo, aguarde novidades. Numa próxima viagem, Paris merece uma nova visita.

  2. Que sonho de lugar Ronaldo!
    Não conheci esse bairro e me deu ainda mais vontade de voltar. Sou apaixonada por Paris assim como você.. é um sonho em forma de cidade!
    Amei o post!!

    1. Querida Joice, que bom que você gostou do post. Eu como um geógrafo tenho um outro olhar, sendo assim eu adoro desvendar locais menos conhecidos e que esconde belezas singelas. Esse bairro e sua arte de rua é incrível. Quando eu o conheci eu viajei no tempo. Esperemos voltar. Obrigado!!!!!!

  3. Como guia oficial em Paris e Geógrafo me permito dizer que o texto por inteiro está muito bom e retrata bem o bairro. Vale a pena visitá-lo com um Guia para conhecer os detalhes que nosso querido amigo retratou de forma excelente!

    1. Adilson, você sabe que os geógrafos têm um outro olhar, portanto eu adoro desvendar locais menos conhecidos e que esconde belezas singelas. Esse bairro e sua arte de rua é incrível. Quando eu o conheci eu viajei no tempo, caminhei tanto que num dado momento eu não sabia em qual direção estava. Espero que você leve grupos de turistas para conhecer Butte-aux-Cailles e outras pérolas de Paris. Obrigado!!!!!!

  4. Uma descrição de Paris excelente!!! Depois quero dar a dica de um restaurante basco muito bom, barato e animado no metrô Chatelet.

    1. Bruno você sabe que nós geógrafos temos um outro olhar, então eu adoro desvendar locais menos conhecidos e que esconde belezas singelas. Esse bairro e sua arte de rua é incrível. Quando eu o conheci eu viajei no tempo, caminhei tanto que num dado momento eu não sabia em qual direção estava, olha que isso para mim é quase impossível, mas aconteceu. Obrigado!!!!!!

Gostou? Deixe aqui o seu comentário.