Quando planejava minha última viagem pela linda Espanha já sabia previamente que entraria por Barcelona e sairia por Bilbao, depois de 17 dias viajando de carro por várias regiões do nordeste e norte do país. Um grande professor de Geografia apaixonado pela Espanha me indicou vilas e cidades imperdíveis nesse trajeto. Algumas indicações eu aproveitei, entretanto, Sos del Rey Católico me foi apresentada por um jovem a partir de um blog de viagem. Fui pesquisar um pouco mais sobre a cidade e logo me decidi que Sos, como é carinhosamente conhecida, entraria no meu roteiro.

Calle Fernando El Católico, após o Arco do mercado medieval da Plaza la Villa.

Foto do site: https://www.turismodearagon.com/ficha/sos-del-rey-catolico

Fui me apaixonando aos poucos por Sos, com a estrutura e o sabor de vila medieval, as vielas e caminhos estreitos onde é proibido o tráfego de carros, o belo conjunto arquitetônico, as portas da fortificação medieval, a igreja do séc. XI e o ar carregado de história da Espanha. Sendo assim, não pude me desvencilhar de um pensamento: encontrarei com personagens históricos da época medieval caminhando por suas vielas à noite? Então, de forma predestinada, quis conhecer Sos.

Vista de Sos del Rey Católico a partir do mirador próximo do Portal de la Reina. Em destaque, a Torre de Menagem do Castelo de Sos.

Antes de relatar alguns momentos históricos importantes e levá-lo a passear pela cidade, cabe destacar que a cidade de Sos, mesmo com toda a pujança do passado, tem sofrido um declínio demográfico bastante acentuado, pois eram 3.647 habitantes em 1900; 3.393 em 1930; 2.725 em 1950; 1.097 em 1979; 813 em 1998 e 662 em 2010, mesmo agregando a população rural dos núcleos adicionados ao seu município. Em 2019, a cidade de Sos possuía 590 habitantes, segundo dados  da Wikipedia: https://es.wikipedia.org/wiki/Sos_del_Rey Católico.

A sede da prefeitura de Sos del Rey Católico na Plaza la Villa.

Foto do site: https://www.turismodearagon.com/ficha/sos-del-rey-catolico/

Sos del Rey Católico localiza-se no extremo noroeste da comunidade de Aragão, na região denominada de Cinco Vilas, nas proximidades da planície do Val d’Onsella (rio Onsella). Em direção norte dista 90 km dos Pirineus; está, em média, 652 m acima do nível do mar, e tem Zaragoza, capital de Aragão, localizada a 120 km e Pamplona, capital de Navarra, a 59 km. O meio de comunicação principal é a estrada A-127 desde Tauste, em Aragão, até Sangüesa, já em Navarra.

Arco do velho mercado medieval e à direita o Hostal Las Coronas.

Foto do site: https://www.tienesplaneshoy.com/2013/01/sos-del-rey-catolico.html

No livro “Sos del Rey Católico”, de Máximo Garcés Abadia, o autor afirma que o Castelo de Sos foi construído no séc. XII, entre os anos de 1134 e 1137, por Ramiro II. Entretanto, outras fontes indicam que o castelo já existia há pelo menos um século, pois, no início do séc. XI, o rei Sancho Garcês III, o Grande (reinou de 1004 até 1035), conseguiu unir os territórios de Aragão e Navarra e, então, ao necessitar construir pontos de defesa de fronteiras no reino, mandou construí-lo junto com a fortificação amuralhada na localidade de Sos, por volta de 1012. Com a sua morte, em 1035, seus filhos herdaram as terras do reino. Garcia Sanches III ficou com o reino de Navarra; e Ramiro I, com o reino de Aragão. Numa guerra, em 1043, Ramiro I conseguiu incorporar ao reino de Aragão vários castelos, dentre eles o Castelo de Sos.

O Castelo de Sos com a Torre de Menagem. O muro de cima pertencia ao castelo construído em 1012.

O núcleo urbano de Sos ainda, hoje em dia, preserva o ar medieval, mesmo que paire a dúvida e se mantenha a polêmica sobre o início da história da cidade, que pode ter sido no séc. XI (1012) ou no séc. XII (1134). Destaco, a seguir, relatos históricos que confirmam que o Castelo de Sos já existia desde o início do séc. XI.

Depois da morte de Sancho Garcês III, o Grande, seu pai, Ramiro I herdou o condado de Aragão, e em 1035 fundou um reino independente, e o trono de Navarra ficou com García de Nájera. Em 1043 guerreou contra seu irmão e, mesmo sendo vencido por ele em Tafalla, conseguiu incorporar vários castelos ao seu reino: os de SosUncastilloLuesia e Biel.” (Trecho do site:https://pt.wikipedia.org/wiki/Ramiro_I_de_Arag%C3%A3o).

No alto da colina onde foi construído o Castelo de Sos e a muralha que o resguardava, hoje existem apenas a esbelta Torre de Menagem; pedras de ruínas ao chão, que denotam a passagem do tempo; uma torre de defesa; e parte do muro, que pode ser visto ao se rodear a colina. Esse local é um mirador de uma beleza incrível, pois, fitando em direção norte, pode-se ver ao longe os belos Pirineus.

A Torre de Menagem e a Torre de Defesa do Castelo de Sos.

Um aspecto que não falta numa vila medieval é sua estrutura amuralhada que a cerca e protege. Qualquer visitante que entrar em Sos del Rey Católico passará por uma de suas sete portas que se distribuem em torno da cidade. Eu entrei pelo Portal de la Reina, um belo e alto pórtico na forma de um trapézio, com a particularidade da inexistência de uma parede em direção ao interior do muro e apresentando nas três paredes buracos perfurados que poderiam servir de pontos de defesa ou ataque numa fortificação.

O Portal de Sangüesa é um dos sete portais da cidade de Sos del Rey Católico.

Foto do site: http://www.sosdelreycatolico.com/contenido/portales-muralla

Ao entrar na cidade, passando pelo Portal de la Reina, senti uma emoção incrível, pois  o relógio parecia ter voltado ao passado, envolvendo-me numa energia diferente. Quis então que o tempo deixasse de ter importância a partir daquele momento em que eu dava início à visita a Sos del Rey Católico.

O Portal de la Reina é uma das sete portas da cidade de Sos del Rey Católico.

Cada um dos portais de acesso tem seu nome, já citei aquele que me abriu as portas da cidade. Este, o Portal de la Reina, foi erigido em homenagem à rainha Joana Henriques, esposa do rei Juan II de Aragão. Sua importância para a história é por  ela ter preferido sair de Navarra e escolhido Sos, em Aragão, para dar à luz o filho Fernando II, futuro rei de Aragão e, mais tarde, monarca da Espanha unificada.

A Igreja de San Esteban, na posição lateral, com sua porta pequena.

A Igreja de San Esteban é uma preciosidade da arquitetura românica e teve sua obra iniciada no século XI, de forma lenta, mesmo com a ajuda substancial da rainha Estefânia, viúva do rei Garcia de Nájera, outrora rei de Navarra. Está localizada no alto da colina, ao lado do Castelo de Sos. O complexo religioso de San Esteban é formado pela igreja principal, as capelas laterais, a cripta, o claustro e o túnel. Em várias partes dessa grande obra medieval foram utilizados diferentes tipos de pedras. O túnel que liga a cripta à igreja foi construído no século XI e é local de 22 sepultamentos de nobres. Nos muros do túnel encontra-se gravado esse número de cruzes.

A Judería Medieval no “bairro alto” de Sos del Rey Católico.

O “bairro alto” foi ocupado por judeus a partir do século XII em Sos. Foi uma comunidade bastante importante durante a era medieval, onde viviam cerca de 30 famílias que desempenhavam várias atividades na vila. Infelizmente, elas tiveram que migrar para o vizinho Reino de Navarra, em 1492, ano em que os reis Católicos assinaram o decreto expulsando os judeus do reino de Castela e Aragão. A Plaza de la Sartén fica no coração do bairro. Nela se pode ver, em uma de suas casas, uma fenda onde antigamente os judeus colocavam a mezuzá (símbolo dos judeus que deve ser afixado na parede direita de cada lar ou sinagoga).

A Plaza de la Sartén e uma moradia que pertenceu a judeus.

Na Judería Medieval (bairro judeu) está localizada a antiga Sinagoga, hoje convertida em hotel. Lá é possível encontrar uma cruz desenhada nas paredes laterais de algumas portas. Esse símbolo na entrada das casas demonstrava que os moradores daquelas propriedades eram judeus que se converteram ao cristianismo.

Moradia de judeus que se convertiam ao cristianismo, com a cruz na parede lateral.
A torre de vigia da Igreja de San José de Calasanz, bela obra do séc. XVI.

O Colégio Isidoro Gil de Jaz não pode ser visitado, pois está em operação, mas eu o indico por ser muito representativo da arquitetura de Sos. A fachada do prédio é em pedra do século XVI, tanto a porta frontal como a lateral são no estilo renascentista, de madeira maciça; os andares superiores possuem lindas varandas floridas, além dos lindos beirais com belas águias e pássaros talhados em madeira. Belíssimo! Atualmente, o prédio abriga a escola pública da cidade para ciclos de creche e ensino fundamental. O edifício está localizado na Plaza de la Villa. O conjunto inclui a Igreja de San José de Calasanz, com a presença de uma linda torre de vigia.

Espero que tenha gostado de conhecer um pouco de Sos del Rey Católico. Acho que ficou faltando estar com Fernando II, o rei Católico. Talvez eu planeje de voltar um dia para conversar com ele. A viagem não é tão cara, e viajando comigo você terá o prazer de conhecer muito mais do que por ora apresentei. Vamos?

A foto do carrossel foi retirada do site: https://www.flickr.com/photos/54916978@N08/43483722134

*A imagem destacada como foto principal foi retirada do site: https://theculturetrip.com/europe/spain/articles/the-top-10-things-to-see-and-do-in-sos-del-rey-catolico-spain/

Compartilhe com os seus amigos.
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Share on LinkedIn
Linkedin
Print this page
Print

16 thoughts on “Sos del Rey Católico – Vila da realeza da Espanha”

    1. Amigo Douglas. Eu iria voltar agora em junho, para tirar mais fotos e colher mais informações, mas não pude. Obrigado por seu comentário.

    1. Querida amiga Viviana. Eu iria voltar agora em junho, para tirar mais fotos e colher mais informações, mas não pude. Obrigado por seu comentário.

    1. Raisa, querida afilhada. Sos é realmente fascinante. Eu iria voltar por agora em junho, mas não poderei. Obrigado por seu comentário.

      1. Querida amiga Valéria, que bom ter gostado do post sobre Sos. Minha descrição é feita para levar a emoção aos meus seguidores. Obrigado…

  1. Sim. Adorei. Viajei mesmo. Td que é medieval me encanta. Especialmente uma cidadezinha como esta , que não está incluída nas badalações turísticas. Valeu

    1. Amiga Maria Lúcia, fico feliz que tenha gostado de conhecer Sos, esta linda vila medieval na Espanha. Obrigado pelo comentário.

    1. Márcia, Sos é muito fascinante. Tive vontade de voltar, eu iria por agora em junho, mas não poderei. Obrigado por seu comentário.

    1. Querida Joice, Sos por sua história secular e riqueza medieval facilita a narrativa. Tive vontade de voltar, eu iria por agora em junho, mas não poderei. Obrigado por seu comentário.

  2. Muito interessante essa cidade. Séculos de história muito bem contada e fotografada pelo Ronaldo. Parabéns!

    1. Ricardo, realmente Sos é muito interessante. Fiquei com vontade de voltar, eu iria por agora em junho, mas não poderei. Obrigado por seu comentário.

Deixe uma resposta