Em 2009 fiz uma bela viagem pela comunidade autônoma de Andaluzia, no sul da Espanha. Foi um passeio muito gratificante, principalmente por ter conhecido duas cidades com assentamentos geográficos bastante raros, onde a estrutura rochosa pré-existente foi sendo ocupada, edificando moradias e outras construções sem que a formação rochosa fosse empecilho. Muito pelo contrário, ela  formatou o traçado ou o espaço urbano, de uma maneira realmente curiosa e impactante. Nesse post descreverei minha experiência em Setenil de las Bodegas.

Vista aérea de Setenil de las Bodegas, onde pode ser enxergado um filão de rocha, com construções abaixo e em cima.

Não aprofundando muito, as construções, na verdade, foram sendo adaptadas e construídas a partir da formação rochosa de origem calcária que no início foi depositada em camadas e depois compactada. Esse processo geológico dura em torno de 350 milhões de anos. Nesse caso de Setenil, uma forte erosão fluvial ocorreu de forma em que detritos pesados e a água ácida do rio foram cavando um túnel na rocha. Sendo assim, nas duas margens do rio Trejo, a rocha foi sendo moldada dando origem à forma de um C para cada lado do rio. Diferente de outras cidades que são construídas sobre estruturas rochosas, em Setenil de las Bodegas as moradias, literalmente, encaixaram-se entre os vãos das rochas.

O rio Trejo, num passado remoto, foi perfurando e cavando a rocha, e assim deu origem a uma formação pedregosa bastante singular.
O interior do Restaurante La Tasca apresenta de forma esclaredora como as construções foram se encaixando entre os vãos das rochas.

A pequena cidade de Setenil de las Bodegas chama a atenção de muitos viajantes, inclusive a minha, por conta desse cenário único. Ela possui apenas cerca de 2.800 hab. e dista de Ronda uns 20 km, e esse percurso pode ser feito em 30 min numa boa estrada. Como Ronda é mais bem servida de hotéis e restaurantes, eu a escolhi e me hospedei por 4 dias, assim visitei as cidades conhecidas como “pueblos blancos”. Em Setenil os habitantes aproveitam os espaços abertos na rocha devido à erosão natural e utilizam-nos como paredões e tetos das lindas casas pintadas de branco. Em alguns trechos, as grandes rochas cobrem quase totalmente as ruas.

Mapa do percurso entre Ronda e Setenil de las Bodegas.
Um trecho da “Calle Cuevas de la Sombra” onde a rocha chega a cobrir a rua.

Setenil de las Bodegas encontra-se na Rota das Cidades Brancas, que em espanhol são os famosos “pueblos blancos”. Essa definição vem do branco das casas dos povoados e cidades da região, que são pintadas com cal para amenizar o calor. Outro motivo que bloqueia o frio e o calor extremos é a rocha natural, que deixa as temperaturas mais agradáveis. Com esse cenário singular, a pequena cidade consegue atrair curiosos do mundo todo, e o turismo tornou-se a principal fonte de renda. Atualmente muitas das casas sob as rochas tornaram-se hotéis, bares e restaurantes.

Setenil de las Bodegas e suas casas brancas, pintadas com cal para amenizar o calor.
O Hotel Casa Rural Cuevas del Sol, onde os quartos têm a rocha como teto.

Mas é importante saber caminhar por Setenil de las Bodegas através do Google Maps, então saiba como entrar e viajar. Caso não tenham familiaridade eu indico utilizar o Street View, que é uma ferramenta no qual o boneco navegador, que se encontra na margem inferior direita, nos leva a caminhar por todas as vias e pontos importantes do território. Mas para isto necessita que você amplie o mapa de Setenil de las Bodegas, clicando na janela à esquerda em: “Visualizar mapa ampliado”. Viajem!

Mapa de Setenil de las Bodegas.

Estive em Setenil por dois momentos, no primeiro dia, à tarde, depois de ficar impactado com a bela simbiose entre a rocha e as casas, fiz uma caminhada a esmo, então, se quiser me acompanhar siga pelo mapa da cidade com o bonequinho (Street View) ou então veja o mapa com o roteiro da caminhada, onde serão indicados alguns pontos do trajeto e o caminho será apresentado por setas. Ao chegar, conheci a Calle Cuevas del Sol, que é a principal rua com bares e restaurantes construídos sob a rocha. A rua é muito peculiar. A partir dela, pensei em fazer uma caminhada para pegar a rua mais alta e que fica do outro lado do rio Trejo, então o melhor foi me dirigir até a estrada CA-4223, cujo percurso apresenta duas curvas acentuadas até alcançar a Calle Cantareira Alta. Ao continuar o passeio por essa rua, passamos pela “Cueva Alta”, que é uma adega, com vinhos e salames da Andaluzia e outros produtos para petiscos espanhóis, como o presunto pata negra e os diferentes tipos de “jamón” espanhol. A seguir, apresento fotos desse trajeto e depois vamos continuar o passeio por Setenil de las Bodegas.

Roteiro da caminhada por Setenil de las Bodegas

Legenda: 1 – Calle Cuevas del Sol; 3 – Calle Cantareira Alta; 5 – Praça da Andaluzia; 7 – Calle Ronda e 8 – Calle Cuevas de la Sombra.

Mapa elaborado: geolucas.carvalho@gmail.com.

A Calle Cuevas del Sol, que é a principal rua de Setenil, com bares e restaurantes. Vislumbre a beleza das construções sob a grande rocha.
A enorme rocha que serve de grande teto na Calle Cuevas del Sol, principal rua da cidade, com enorme movimento de turistas na alta estação.
A loja “Cueva Alta” é um espaço bem diversificado com vinhos, salames andaluzes, jamón, presunto pata negra e outros embutidos.
Presunto pata negra.
Vinho da Andaluzia.
Salames e frios em geral.

O passeio por Setenil continua, e na Calle Cantareira Alta passamos por interessantes moradias onde a rocha se torna o teto dessas lindas edificações brancas, assim como encontramos detalhes, bem simpáticos, de vasos de flores de tipos e cores contrastantes. Como faz bem vivenciar essa harmonia! Num leve cruzamento para a esquerda, pegamos a Calle Vilchez, bem estreita ao ponto de dificultar a passagem de um carro, mas nessa rua senti a sensação de tranquilidade e naturalidade na relação amistosa entre os moradores locais. Um pouco mais à esquerda, temos a ermita de São Benito. A seguir, verão as fotos desse trajeto. Continuarei mais adiante o passeio.

Lindas moradias brancas na Calle Cantareira Alta. Foto: Evelyn Baylee.
Belos detalhes de vasos com lindas e coloridas flores na Calle Cantareira Alta. Foto: Bernardo Tejada.
A singela ermita de São Benito, na Calle Vilchez.
A Calle Vilchez tem pontos com lindos mirantes, além daquele ar bucólico onde os moradores conservam relações que vão além dos vizinhos. Foto: Boscania.

Ao final da Calle Vilchez deparei-me com um ponto de encontro de moradores e viajantes em Setenil de las Bodegas, a Praça da Andaluzia. Depois de um longo passeio, busquei um bar e descansei um pouco. O Bar e Cafeteria El Lizon foi o escolhido para que eu fizesse um lanche e revisasse as fotos, que em 2009 não eram tão boas, pois eu tirava fotos sem foco e mal centralizadas, mas vai se aprendendo. O passeio continuou pela Calle Ronda e logo a seguir cheguei à Calle Cuevas de la Sombra, que é uma rua muito interessante, pois está do outro lado do rio Trejo, confrontando com a Calle Cuevas del Sol, ou seja, as ruas são paralelas e uma margem do rio tem a luz do sol, enquanto a outra tem sombra. Entretanto, nas duas a formação rochosa é exuberante. Na rua da sombra vivi o momento mais fascinante do passeio, pois se passa por debaixo da grande rocha que emoldura de forma bela essa parte de Setenil. O passeio aqui termina ao voltar ao ponto inicial, ou seja, à Calle Cuevas del Sol. As fotos desse último trajeto estão a seguir.

Praça da Andaluzia e o Bar e Cafeteria El Lizon, prédio com molduras pintadas em amarelo. Foto: Leo Adriaenssens.
A loja “Recuerdos de Setenil” localiza-se na Calle Cuevas de la Sombra. A construção foi executada de forma a encaixar-se na rocha.
A Calle Cuevas de la Sombra é uma rua interessante, pois a sensação é de que essa grande rocha pode tombar a qualquer momento. Fonte: Booking.
Neste ponto temos, à direita, a Calle Cuevas del Sol, ao centro, o vale do rio Trejo e, à esquerda, os fundos das construções da Calle Cuevas de la Sombra.

O passeio que fiz no primeiro dia em que estive em Setenil de las Bodegas terminou, mas numa outra tarde voltei à cidade para explorar a região do Castelo de Setenil, que foi a primordial construção erguida no séc. XII, no período da ocupação dos mouros na Andaluzia. O castelo possuía mais de 500 metros de muralha e era situado estrategicamente no alto de uma colina. Os testemunhos que restaram da época da dominação árabe são a Torre de Menagem e alguns vestígios de muralhas.

A Torre de Menagem, à esquerda, e a Igreja de Nossa Sra. da Encarnação, à direita. Mais abaixo, de forma transversal, os vestígios de muralhas do Castelo de Setenil.
A Torre de Menagem do Castelo de Setenil.

O Castelo de Setenil foi um bastião para os mouros, já que sua posição estratégica e as longas muralhas fizeram com que os ataques das tropas dos Reis Católicos fossem rechaçados durante o séc. XV. Os mouros resistiram por sete investidas, até que em 1484 se renderam após um cerco de 15 dias. Com o domínio dos cristãos, a vila medieval de Setenil foi declarada cidade real em 1501. É importante destacar que, para alcançar a colina onde se encontra o castelo, é necessário subir uma escada bem íngreme, mas, ao chegar, a surpresa da vista que se tem da linda cidade branca aos seus pés recompensa o esforço.

Igreja de Nossa Senhora da Encarnação fica ao lado do castelo, tendo sido edificada sobre a antiga mesquita da vila medieval. Os Reis Católicos ordenaram a construção da nova igreja entre os sécs. XVI e XVII, após a vitória contra os mouros e com a Reconquista Cristã de toda a região da Andaluzia. Sobre esse fato histórico, tenho um post muito interessante: https://novosterritorios.com/sos-del-rey-catolico-historias-que-ate-deus-duvida/.

A Igreja de Nossa Senhora da Encarnação fica no alto da colina, no local de uma antiga mesquita que fora construída pelos árabes.

Creio que já me alonguei muito por descrever as sensações pelo passeio por Setenil de las Bodegas, além de apresentar a beleza extraordinária dessa linda vila medieval que passou a ser uma Cidade Real após a Reconquista Cristã. Mesmo assim, ainda tenho outras fotos com detalhes dessa magistral cidade. O mais imponente em Setenil são as marcantes estruturas rochosas que interagem harmonicamente com os moradores e suas incomuns habitações. Então, vou passar ao mural de lindas fotos.

Setenil de las Bodegas apresenta, a cada esquina ou bifurcação, detalhes de vasos com flores.
Lindas plantações de girassol embelezam os arredores de Setenil de las Bodegas.
A Calle Cuevas del Sol e o Bar La Bodeguita.
Em Setenil de las Bodegas, assim como em outras cidades da Andaluzia, os moradores cultivam frutas cítricas, como o limão siciliano. Eu acho um charme!
Setenil de las Bodegas, um dos mais lindos “pueblos blancos” da Andaluzia.

Para terminar o passeio por Setenil de las Bodegas, escolhi o vídeo da prefeitura, em que, de forma simples, é exposta toda a beleza da cidade. Imperdível.

Em 2009 viajei por várias cidades da Andaluzia, mas Setenil de las Bodegas foi uma excepcional surpresa, pois as paisagens são indescritíveis. Indico que, ao planejar uma viagem à Andaluzia, faça um roteiro e conheça os lindos “pueblos blancos”. Não é um passeio caro e com certeza vão desfrutar de cidades como Ronda, Casares, Gaucín, Sahara de la Sierra e outras. Boa viagem!

Compartilhe com os seus amigos.
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Share on LinkedIn
Linkedin
Print this page
Print

10 thoughts on “Setenil de las Bodegas – a força das rochas.”

    1. Isis, querida amiga, que bom que você gostou de Setenil, mas terá que planejar muito bem sua próxima viagem. Obrigado.

    1. Tereza, querida amiga. Agradeço seu comentário. Realmente Setenil é um lugar lindo e de rara formação rochosa em prefeita harmonia com o traçado urbano.

    1. Michele, grande amiga que não nos vemos há tempo, realmente é um lugar lindo e de rara formação rochosa em prefeita harmonia com o traçado urbano…. Obrigado…

Gostou? Deixe aqui o seu comentário.